Projeto Caminhos do Sertão apoia turismo comunitário

blog-image


Foi dada a largada do Projeto 'Caminhos do Sertão', que  será capitaneado pelo Sebrae-Ba em parceria com o Movimento João de Barro, Fundação Loro Parque, CEMAVE-ICMbio, ATES e as prefeituras de Jeremoabo, Santa Brigída e Euclides da Cunha,  nos municípios de Jeremoabo, Santa Brígida e Euclides da Cunha, respectivamente nas comunidades do Chuquê, Morada Velha e Serra Branca, que compõem hoje o Polo do Artesanato da Palha do Licurí. 
Estas localidades estão inseridas nas rotas e locais de alimentação da Arara Azul de Lear, espécie endêmica que servirá de atrativo e apoio à chamada turística para visitação na região que irá compor a área de atuação do projeto. 
Nesta ocasião o consultor George Arapiraca, do Movimento João de Barro, buscou alinhar, sensibilizar e integrar as comunidades envolvidas, bem como as instituições que irão compor a parceria em torno dos objetivos e abrangência deste projeto.
Na oportunidade, a consultoria esteve presente inicialmente na comunidade do Chuquê em Jeremoabo, comunidade que vem sendo trabalhada nas questões voltadas à preservação ambiental pelo CEMAVE-ICMBio , bem como pela ATES (Assessoria Técnica Social e Ambiental), instituição ligada ao INCRA, na organização do assentamento rural.
Assim sendo, o trabalho dirigido para a preservação ambiental,inserção social, ocupação e geração de renda das comunidades do entorno das áreas de habitação e alimentação das Araras Azuis de Lear, deverá construir a base para implantação do Projeto Caminhos do Sertão, que apresenta como objetivo principal:
"...contribuir para o aumento de competitividade das micro e pequenas empresas, bem como das organizações sociais , visando aumentar a capacidade produtiva, a qualidade dos serviços prestados, ampliação de mercado, do faturamento, o nível de emprego e formalização das empresas atendidas, na direção do desenvolvimento sustentável dos territórios envolvidos."
Para maiores informações acesse os links :
http://www.oeco.com.br/adriano-gambarini/24174-arara-no-ar-arte-no-lar